sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Solidão, que nada!

Qual o problema das pessoas com a solidão? Não entendo quando dizem: “Cuidado, você vai ficar sozinha!”. E se eu quiser ficar? Quem foi que começou com essa ideia de quem está sozinho, não está feliz? Eu sou do pensamento que, antes só do que mal acompanhada.

As pessoas esquecem que se tem solidão ruim, acho que é aquela que é a dois, ou a três, ou pior, solidão em meio a multidão. Pensando nisso e nos relacionamentos anteriores, nos relacionamentos de amigos, familiares e até mesmo de desconhecidos bêbados que se abrem pra mim em uma noite, me senti feliz de estar comigo mesma. Sim, descobri que a mulher ideal pra mim, sou eu. Comecei uma linha de raciocínio ...

Eu me acho atraente e suficientemente inteligente pra me amar, eu faço o café no ponto, gosto do meu bom gosto musical, cultural e artístico. Falo e faço coisas estúpidas, mas em horas aceitáveis. Eu sei o meu meu próprio “time” . Eu confio em mim, e sei como lidar com esse meu jeito excêntrico, até acho charmoso. Converso comigo mesma e concordamos em tudo, quando não estou afim, não nos falamos. Sem discussão de relação, sem reclamações e o sexo é ótimo, porque sempre me achei boa de cama. Sei meus pontos fracos e quando enjoo, minha mente aberta me permitiria outra mulher, numa espécie de Ménage à trois, entre eu, eu mesma e a primeira puta que me interessar.

Sem grandes preocupações, afinal de contas, eu sou fiel, aliás e por que eu não seria? Eu sou ótima! Não sou?! Eu sei tudo de que sou capaz, sem surpresas, sem grandes emoções, sem graça, sem vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário