segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Simples assim.

A primeira vez que a vi, acho que foi aquele sorriso que me chamou atenção, o jeito como ela aperta os olhos ... Parece que eles tão sorrindo juntos, é lindo, algo difícil de descrever.

Depois acho que foi a coragem por ela ter ido adiante mesmo sabendo o quão ruim eu quero ser, o quão sem emoções ...Eu fiz e falei, mas ela continuou ali sorrindo, achando tudo aquilo absolutamente normal, compreensível e então eu me vi invertida.

Como se não bastasse não me cobrar, não ter medo de mim, não me achar a criatura mais detestável do mundo, só mais uma bêbada fodida na tentativa desesperada de foder as pessoas por puro egoísmo, só pra não se sentir sozinha nessa magoa, como se não bastasse não me olhar desse jeito, ela deita ao meu lado e entre beijos, me diz que quer tomar uma cerveja. Sempre que dá então, tomamos uma cerveja junto e eu fico lá admirada enquanto ela fala, bebe, sorri e tenta derrubar minhas teorias zombando de mim, me fazendo parecer boba. De repente eu fico pensando, me sentindo sortuda, afinal de contas eu nunca conheci uma garota que pudesse transar e beber comigo, como se essas duas coisas não pudessem estar contidas em uma só pessoa, nunca entendi muito bem, enfim...

Enquanto as outras tentam me mudar ou moldar, ela não, e só tenta derrubar minhas teorias por pura implicância, porque sente prazer em me desmontar, em me ver sem argumentos suficientes. E eu que tinha me trancado, e eu que era triste, hoje acho graça quando me pego em mercados provando pra ela que eu sei diferenciar sim, o brócolis da couve -flor. 

Um comentário:

  1. AI AI AI É AMOOOR É AMOOOR (voz de Zezé de Camargo sem brigar com Luciano).

    ResponderExcluir